Certificação BREEAM | Riscos e oportunidades da transição relacionados com o clima


A ARCADIS foi contratada para analisar os riscos e oportunidades de transição relacionados com o clima para o Alma Shopping. Este estudo foi preparado para a certificação BREEAM do edifício, no âmbito do critério Riscos e oportunidades de transição relacionados, que aborda a exposição do ativo aos riscos e oportunidades de transição relacionados com o clima.

Lei Europeia do Clima, para além do objetivo de neutralidade climática e de a UE atingir emissões negativas a partir de 2050, estabelece um objetivo vinculativo de redução das emissões líquidas de gases com efeito de estufa em, pelo menos, 55% até 2030, em relação aos níveis de 1990. Para garantir que sejam tomadas medidas suficientes para reduzir e evitar as emissões até 2030, a Lei do Clima introduz um limite de 225 milhões de toneladas de CO2 equivalente à contribuição das remoções para esse objetivo. A UE terá também como objetivo atingir um sumidouro líquido de carbono mais elevado até 2030.

De acordo com o quadro jurídico, o risco real de transição legal que pode afetar o local está relacionado com a eficiência energética dos edifícios. Os edifícios têm um impacto no ambiente. É uma preocupação dos indivíduos, dos grupos sociais e também de muitas regiões e estados.

Os impactes ambientais dos edifícios decorrem essencialmente da utilização de materiais extraídos da natureza, da sua transformação e demolição no final da sua vida útil, e decorrem também da energia necessária para manter as condições de conforto térmico e de qualidade do ar no interior dos edifícios. As fases de extração, construção e demolição envolvem custos energéticos que são habitualmente classificados como energia incorporada, mas nestas páginas serão abordadas em maior detalhe as questões relacionadas com a energia utilizada nos edifícios para efeitos de climatização, que corresponde assim às necessidades energéticas das obras de construção.

A Task Force dividiu os riscos relacionados com o clima em duas grandes categorias Riscos relacionados com a transição para uma economia com menos emissões de carbono e Riscos relacionados com os impactos físicos das alterações climáticas.

Para esta análise, a Arcadis identificou alguns riscos e oportunidades de transição relevantes relacionados com o clima, que são apresentados em pormenor:

  • Riscos políticos e jurídicos, riscos de mercado:
    • Consumo de água – O uso de água do bem pode ser limitado em períodos de seca, de acordo com o Decreto-Lei n.º 226-A/2007, de 31 de maio.
  • Riscos políticos e legais:
    • Eficiência energética – Edifícios Comerciais e de Serviços – Portaria n.º 17 A/2016, de 4 de fevereiro e Portaria n.º 42/2019, de 30 de janeiro, estabelece requisitos de conceção relativos à qualidade térmica da envolvente e à eficiência dos sistemas técnicos dos edifícios novos, dos edifícios sujeitos a intervenção e dos edifícios existentes.
    • Energias renováveis – O Decreto-Lei 153/2014 revogou os regimes jurídicos da minigeração e microgeração de eletricidade (Decreto-Lei 34/2011 e Decreto-Lei 363/2007). Ambos os regimes foram fundidos num único regime jurídico, desde o passado mês de janeiro de 2015.
  • Risco de reputação, risco de mercado:
    • Perda de imagem verde da empresa – A não implementação de medidas de adaptação do sítio às alterações climáticas, apesar de as medidas não serem obrigatórias, pode criar uma rejeição da população à utilização do bem.
  • Risco tecnológico:
    • Substituição e custo dos produtos e serviços existentes com baixas emissões: A legislação europeia estabelece, na Diretiva relativa ao desempenho energético dos edifícios (EPBD), a transição dos edifícios existentes para edifícios com emissões quase nulas.

Relativamente aos riscos acima mencionados, enumerámos a seguir todas as recomendações feitas pela Arcadis:

  • Eficiência de recursos – Resiliência:
    • Consumo de água – Reduzir o consumo de água do ativo, reduzindo o risco no futuro em caso de restrições de água devido a períodos de seca.
    • Eficiência energética – Melhorar a eficiência energética do ativo, reduzindo a procura de energia para diminuir o risco de exigências energéticas do edifício no futuro. Além disso, uma redução nas facturas de energia será uma oportunidade potencial para o ativo.
    • Eficiência energética – Utilização de fontes de energia menos intensivas em carbono.
  • Fontes de energia:
    • Energias renováveis – O aumento da implementação de energias renováveis no edifício reduzirá a dependência do mercado, além de que uma redução nas facturas de energia será uma oportunidade potencial para o ativo.
  • Mercado – Melhorar a imagem corporativa ecológica do ativo:
    • A implementação de medidas de adaptação do sítio às alterações climáticas, apesar de não serem obrigatórias, poderia criar uma melhor imagem junto da população.
    • Utilização de incentivos do sector público.
  • Resiliência
    • Participação em programas de energias renováveis e implementação de medidas de eficiência energética.

Com base na informação fornecida pelos representantes do local e na análise da informação pública recolhida, a Arcadis considera que o local não apresenta riscos graves de transição relacionados com o clima, analisando as possíveis oportunidades que podem surgir destes cenários.

 

Queres ser o primeiro a receber

Todas as promoções

Usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar considera-se que aceita a nossa Política de Privacidade e Cookies do Alma Shopping. OK